Controlar o fluxo de vento turbulento criado pelas bolhas não é fácil, muitas fabricas optam em fazer bolhas bem pequenas para ela jogar o vento que incomoda no peito, mas por outro lado o vento no peito em viagens longas tornam o passeio muito mais desgastante. Já escutei um monte de formulas magicas para resolver tudo isso e ela só agrada alguns, isso porque o depende de vários fatores: estilo da moto, tamanho do piloto, tamanho da bolha, de um bom capacete e do estilo de pilotagem (posição).
Uma forma meio básica para saber o que pode te atender ou melhorar o seu problema é primeiro saber onde o vento turbulênto (o vento forte gerado pela bolha) bate, Se ele pegar entre o peito e o topo dos seus ombros, pode trocar de bolha porque nenhum acessório vai resolver o seu problema, lembrando que bolhas muito altas tendem a shimar (trepidar em alta), o ideal nestes casos seria você usar a experiência de outras pessoas que compraram uma bolha nova mais alta, analisar qual o problema que ela tinha, qual o tamanho do piloto e o que a nova bolha resolveu ou se ela melhorou mas criou outros inconvenientes.
Outra analise importante é você verificar se o vento incômodo não vem por debaixo (base) da bolha e sobe pelo corpo e entra por baixo do capacete, esse problema pode ser resolvido com Defletores de tanque (pequenas abas) que podem se coladas com dupla face ou parafusadas nas laterais do tanque e em alguns casos no painel.
Se o vento turbulento pegar entre o seu pescoço e o seu queixo, nesse caso um bom defletor dimensionado para a sua moto vai resolver o seu problema.
Cabe salientar que uma moto recebe vento de todos os lados e que é impossível resolver todos eles, de mais atenção aquele que gera barulho e/ou turbulência.
Espero ter ajudado na compreensão desse problema.